sexta-feira, 23 de maio de 2014

Disfunção das glândulas de meibômio

Disfunção das glândulas de meibômio

Uma atualização sobre disfunção das glândulas de meibômio baseada no consenso realizado em 2011 e publicado na IOVS (íntegra disponível no site: http://www.tearfilm.org/mgdworkshop/).




Aula disfunção de glândulas de meibômio download

sábado, 17 de maio de 2014

Olho seco

O olho seco é uma das condições mais comuns na prática clínica oftalmológica. Trata-se de uma doença mutlifatorial da superfície ocular,  com diversas apresentações, clínicas, fatores associados e variabilidade nos testes propedêuticos.
Um grande desafio para pesquisadores, médicos e pacientes.

Nessa apresentação os principais aspectos do olho seco são colocados e atualizados.
Download Olho seco

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Síndrome de Stevens Johnson: caso clínico e atualização

A Síndrome de Stevens Johnson (SSJ) foi descrita pela primeira vez em 1922 no American Journal of diseases in children por dois pediatras, Albert M. Stevens e Frank  C. Johnson e ainda representa um grande desafio para clínicos e oftalmologistas.

Trata-se de uma reação auto imunomediada rara e grave associada a diversos fatores desencadeantes como medicamentos, agentes infecciosaos e vacinas. Acomete pele com eritema e vesículas e mucosas. A manifestação ocular tem alta prevalência, cerca 80%. 



Frente a gravidade do quadro sistêmico, a avaliação e tratamento das manifestações oculares podem ser menosprezadas e perde-se o mais efetivo momento para tratamento e controle da inflamação de superfície, o que acarreta sequelas potencialmente graves e debilitantes e comprometimento importante da acuidade visual.



Todos os pacientes com SSJ devem ser examindados por um oftalmologista familiarizado com as manifestações oculares da doença

Segue apresentação de um caso clínico e atualização de tratamento: download

sábado, 23 de março de 2013

4a Jornada Paulista de Oftalmologia

Durante a 4a Jornada Paulista de Oftalmologia, realizada em São Pedro nos dias 21-23 de  março, um  módulo muito interessante  de córnea e doenças externas, abordou causas ceratoconjuntivites desafiadoras, com aulas expositivas sobre doenças cicatriciais,infecções  e toxicidade  de sueprfície ocular, além de casos clínicos e atualizacões relacionadas ao tema.

Seguem as minhas apresentações:

Caso cirurgia de pterígio recidivado: visualizar apresentação

Pterígio temporal recidivado com simblefaro e ectrópio:

Pós operatório (simbelfaroplastia, transplante conjutntival autólogo e correção de ectrópio

Caso clínico: olho seco severo e perfuração de córnea em disfunção de superficie por GVHD: visualizar apresentação



domingo, 17 de março de 2013

Superfície ocular

Superfície Ocular

A superfície ocular é composta pela córnea, conjuntiva e filme lacrimal e glândulas anexas.

Apresenta  inúmeras interações com as pálpebras, arcos reflexos que garantem sensibilidade, secreção lacrimal e renovação das lágrimas.

Os mecanismos fisiopatológiocs que garante conforto e qualidade da visão são complexos e muito interligados e serão tema das nossas aulas atuais.





Aula conjuntivites 
Aula blefarites e olho seco
Aula diagnóstico diferencial de olho vermelho
Aula urgências 

domingo, 3 de março de 2013

Para começo de conversa

Anatomia do olho e fisiologia da visão


Nenhuma estrutura do corpo a anatomia tão rica quanto o olho.
Um pequeno órgão tão pequeno responsável pelo importante sentido da visão tem suas estruturas compostos pelos mais diferentes e especializados tecidos: músculo estriado e liso, glândulas como a lacrimal e as de meibômio, revestimento epitelial e tecido conectivo de diversas formas e o tecido neurosensorial que forma a retina.

Amanhã nos encontraremos para essa conversa.

Até lá!

aula anatomia: download

Aula inaugural da liga de oftalmologia PUCCAMP as 12:30h na sala A 27.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Fim de ano!!


Queridos alunos,
Final de mais um período, um novo ciclo que começa para aqueles que estão se formando agora, o primeiro passo na reta final do internato para outros. 
A vocês desejo que os projetos sejam sempre grandiosos, mesmo que pequenos, mesmo que cotidianos e que tenham o brilho e o encanto das grandes conquistas.
De presente de Natal,  transcrevo um dos textos mais tocantes que já li, de um dos meus escritores favoritos, um dos meus livros de cabeçeira...
Aproveitem sempre todos os momentos e não deixem de olhar para o céu...
Nos vemos de novo no ano que vem!!
Monica

As cidades e o céu

Quando se chega a Tecla, pouco se vê da cidade, escondida atrás dos tapumes, das defesas de pano, dos andaimes, das armaduras metálicas, das pontes de madeira suspensas por cabos ou apoiadas em cavaletes, das escadas de cordas, dos fardos de juta. À pergunta: Por que a construção de Tecla prolonga-se por tanto tempo?, os habitantes, sem deixar de içar baldes, de baixar cabos de ferro, de mover longos pinçéis para cima e para baixo, respondem:
- Para que não comece a destruição. – E, questionados se temem que após a retirada dos andaimes a cidade comece a desmoronar e a despedaçar-se, acrescentam rapidamente, sussurrando: -Não só a cidade.
Se, insatisfeito com as respostas, alguém espia através dos cercados, vê guindastes, armações que revestem outras armações, traves que escoram outras traves.
- Qual é o sentido de tanta construção? – pergunta. –Qual é o objetivo de uma cidade em construção senão uma cidade? Onde está o plano que vocês seguem, o projeto?
            - Mostraremos assim que terminar a jornada de trabalho; agora não podemos ser interrompidos – respodem.
            O trabalho cessa ao pôr-do-sol. A noite cai sobre os canteiros de obras. É uma noite estrelada.
            - Eis o projeto – dizem.

Ítalo Calvino
As cidades invisíveis